Cultura gera emprego e transformação

Por Paulinho Sacramento.*

Cultura gera emprego, cultura gera transformação, memória, história, viva a educação! Cultura gera saúde – seja física ou mental – e pode ser ao vivo ou no ambiente digital. Parafraseando meu querido amigo, cantor e compositor Gabriel Moura, inicio minha coluna semanal apontando a importância da cultura brasileira e a responsabilidade do setor para que a sociedade siga minimamente saudável mentalmente.

Em julho de 2012, durante o governo do Partido dos Trabalhadores, o Rio de Janeiro foi a primeira área urbana no mundo a receber o título de Patrimônio Mundial como Paisagem Cultural Urbana, concedido pela UNESCO, hoje, como é de conhecimento de todos a atual situação de penúria econômica a qual se encontra o Rio de Janeiro é assustadora e a cultura é o campo com maior visibilidade para a retomada da economia da cidade.
Unificar visões e pensar em meios de desenvolvimento social igualitário é um grande desafio.

Efetivar políticas públicas que garantam a continuidade da conservação deste patrimônio cultural mundial, juntamente com o direito à prática da cultura como instrumento de representação e manutenção da diversidade do povo carioca, são ações importantes para a garantia da manutenção de nosso patrimônio material e imaterial.

O desmonte do setor cultural vem se ampliando rapidamente desde o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff e avança a passos largos, dado por um grupo de racistas-homofóbicos-fascistas-incompetentes baba-ovo de um presidente genocida. Um grupo que segue em busca de seu objetivo, que é a total falência do campo cultural, setor da economia responsável por 4% do PIB do país.

Dimensiona-se assim a imensa importância da cultura de base comunitária, da manifestação por diferentes linguagens e expressões artísticas e culturais que juntas têm por objetivo estimular o protagonismo social na elaboração e na gestão das políticas públicas da cultura.

Além de potencializar iniciativas culturais já existentes; ampliar a presença e o intercâmbio da cultura carioca no mundo contemporâneo; estimular o pensamento crítico e reflexivo em torno dos valores simbólicos; garantir parcerias com governos estaduais, federais, e com outras instituições da sociedade civil, para que juntos possamos articular, capacitar e fomentar os coletivos culturais e artistas independentes a se desenvolverem e articularem atividades culturais que promovam a inclusão social, o respeito e reconhecimento da diversidade cultural dentro das regiões que compõem as comunidades da sociedade carioca.

Temos muito trabalho pela frente e com toda a certeza, não iremos recuar. Viva a Cultura Brasileira!


– Saravá!

*Paulinho Sacramento é cineasta, artista residente do MAM e coordenador do Núcleo Saravá Cultural, Lapa, Rio de Janeiro. (Foto: “Surdo em silêncio”, de Paulinho Sacramento)

1 comentário

  1. Estamos sobre ataque costantante dos negacionitas e não podemos esmorecer por isso mesmo acometido de uma síndrome de ansiedade provocado por todos os males da desumanidade desse governo. Vamos juntos na mesma trincheira de luta irmão.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s