PT contesta veto de Bolsonaro que impede novo Plano Nacional de Cultura

O não cumprimento das avaliações das metas para a criação de um novo Plano Nacional de Cultura (PNC) pelo governo federal pode ser resolvido pelo Poder Legislativo, caso o veto de Bolsonaro ao artigo 14, parágrafo 2, da Medida Provisória (MP) 1012/2020 seja derrubado pelo Congresso Nacional. A bancada do Partido dos Trabalhadores (PT) contesta o impedimento do presidente de criar um novo Plano e se mobiliza para que na próxima sessão conjunta do Congresso, o veto possa ser apreciado.

A MP foi apresentada pelo governo para sanar o não cumprimento da avaliação das 53 metas do PNC, que deveria iniciar em 2017 e ser apresentado em 2020 para que haja um novo processo de metas até 2030.

Entretanto, Bolsonaro justifica a falha do governo federal por conta da pandemia da Covid-19, mas também impede que seja resolvido pelo Poder Legislativo. Conforme a MP, no último ano de vigência de cada Plano Nacional de Cultura, com o objetivo de aperfeiçoá-lo e elaborar o plano seguinte a partir de instância e canais efetivos de participação social como o Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC), o Poder Legislativo poderá promover seminários e debates com o setor cultural em nível nacional, ouvidas entidades representativas da sociedade civil, cujos resultados serão encaminhados ao Poder Executivo.

Em junho, Bolsonaro sancionou a lei que prorroga o Plano Nacional de Cultura (PNC) até dezembro de 2022, justamente por não seguirem cumprir o compromisso de avaliações das metas. Ele só esqueceu que o Legislativo pode contribuir e vetou essa ‘colaboração’ essencial para que haja um novo PNC, que é previsto na Constituição Federal. Conforme a Lei 12.343/10, o PNC tem duração de 10 anos. Com a MP, ele prorrogou para 12.

Engessamento de políticas públicas

A deputada federal, Benedita da Silva (PT/RJ), que foi relatora da MP 1012 aprovada pela Câmara e Senado Federal, ressalta que após o golpe de 2016, as atividades do Ministério da Cultura e do Conselho Nacional de Política Cultural ficaram suspensas e as atividades básicas de avaliação de políticas públicas ficaram condicionadas a essa paralisação.

Benedita explica que no relatório apresentado por ela foram consideradas as emendas apresentadas, em especial no art. 2°, que inclui a situação de calamidade ao setor cultural, considerando as instituições e os trabalhadores e trabalhadoras do setor.

Redação PT

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s