A questão Alckmin como vice de Lula

*Por Nicholas Manhães:

Há alguns meses cresce e se fortalece a hipótese de que Geraldo Alckmin, político com história vinculada ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e adversário histórico do Partido dos Trabalhadores (PT) possa vir a compor a vice-presidência da República na chapa de Lula em 2022. A partir de tal possibilidade, que já é tratada por lideranças petistas como real, estourou-se um debate acerca de tal estratégia, com amplos militantes e líderes políticos defendendo a proposta, e outras rechaçando-a duramente. Se Alckmin virá mesmo a ser vice na chapa de Lula, só o futuro nos dirá, porém, deve-se questionar desde já as razões que impulsionam tal possibilidade.

Aqueles que defendem tal proposta acreditam que a figura de Alckmin é produtiva por quatro razões centrais: acalma o mercado (em uma espécie de nova carta ao povo brasileiro); conquista um eleitorado à direita, mas anti-bolsonarista; dá poder de governabilidade ao PT e ao presidente Lula; facilita o caminho de Fernando Haddad ao governo de São Paulo em 2022. A primeira razão, considero desnecessária, acredito que a posição petista deva ser de enfrentamento ao mercado, não de arrefecimento, mas as três últimas são importantes e precisam ser analisadas.

Carece de um trabalho de pesquisa maior, mas até o momento nada indica que os eleitores de Alckmin em São Paulo migrarão para Lula, uma vez que esse eleitorado se aglutinou em torno do ex-tucano baseado em seu programa abertamente neoliberal e privatista, programa este que não será aplicado em um futuro governo petista, sem contar o preconceito destes setores com uma candidatura da classe trabalhadora, nordestina e criada no chão da fábrica. Além disso, o que tem se mostrado entre a militância progressista é um pé no freio em caso de ter que lidar com as contradições de bancar um adversário histórico das camadas populares na vice.

A governabilidade, talvez a razão maior, é de extrema importância e precisa ser levada em consideração, já que foi o fio central para a escolha de Michel Temer para vice da presidenta Dilma. O que ocorreu naquele momento foi um conluio da direita neoliberal que brecou o governo Dilma e cujo resultado nós infelizmente já sabemos qual foi. A governabilidade pode ser alcançada com outros setores do centro político e do empresariado, setores estes que não estariam enraizados nos meios políticos da burguesia e das elites econômicas e que, portanto, teriam um poder golpista menor. Também há a possibilidade de conseguir governabilidade através da mobilização popular, possibilidade esta mais condizente com um partido com as características do PT, mas que já é vista com maus olhos por setores do petismo já há algumas décadas.

Já a corrida de Haddad para o governo de São Paulo talvez seja o fator que mais dificulta a entrada de Alckmin na vice, uma vez que, segundo veículos de comunicação (e sabemos que estes são muitas vezes nada confiáveis) há um impasse quanto a relação com Márcio França, aliado histórico de Alckmin e dirigente do Partido Socialista Brasileiro (PSB), que também não parece querer abrir mão de sua candidatura.

Essas são as razões pelas quais setores do petismo defendem esta proposta, e fecham os olhos para o passado recente, ignoram que tal estratégia já foi tentada com Michel Temer, e cujos resultados tenebrosos estamos colhendo até hoje. No entanto, a pergunta que não quer calar é: Porque Alckmin, com amplas chances de ser novamente governador em SP, aceitaria abdicar de tal candidatura e de sua ideologia abertamente neoliberal e pró-Estados Unidos, para se unir a seu adversário histórico, abdicando de seu programa e se invisibilizando atrás de uma figura com a magnitude da de Lula?

Essa pergunta é central para que nós não soframos novamente com a ingenuidade que nos levou a ser golpeados em 2016. Seria Alckmin um agente da burguesia, como foi Temer, buscando enfraquecer Lula e arquitetar uma manobra (golpe!) institucional contra o candidato do PT assim que surgir uma possibilidade? A história recente nos mostra que isso não é teoria da conspiração, é uma possibilidade concreta, justamente por já ter acontecido.

Minha opinião pessoal é de que, no mínimo, o ex-tucano não é confiável. E acredito que grande parte da militância petista e progressista também veja desta forma. Portanto, concluo esta linha de pensamento com um pedido: Não nos deixemos abater com tal possibilidade. Lutemos contra ela, no debate, mas caso percamos e ela venha a se concretizar, tenhamos a perspectiva de que é nosso papel defender um governo da classe trabalhadora, como será o de Lula. Se lideranças políticas não conseguem ter essa visão, que nós tenhamos e, caso novas tentativas golpistas apareçam, tenhamos força e disposição para defender o governo e vencer a burguesia nas ruas, como fez a classe trabalhadora venezuelana e boliviana.

O PT é o mais importante instrumento de luta da classe trabalhadora brasileira, e, desta forma, deve ser disputado por dentro e defendido, mesmo que opções majoritárias, por vezes equivocadas, sejam postas em prática. Defender o PT e o futuro governo Lula, com ou sem Alckmin, é dever de todos aqueles que lutam por justiça social e pelo fim da opressão!

*Nicholas Manhães, Secretário da Juventude do PT de Campos dos Goytacazes. (Foto site do PSDB)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s