Lula: Se Eletrobras for vendida, preço da energia vai subir como o da gasolina

Em entrevista à rádio Progresso FM, de Juazeiro do Norte (CE), nesta quinta-feira (17), Lula se disse indignado com a destruição do Brasil causada por Jair Bolsonaro. “Estou indignado e acho que o povo deve ficar indignado também”, afirmou o ex-presidente, citando o desmonte da Petrobras e a tentativa de privatizar a Eletrobras como provas de que o atual governo age contra os interesses da população.

Podcast do Lula: Ouça as últimas entrevistas de Lula no Spotify

“Se tem uma coisa que me deixa irritado é a canalhice que estão fazendo com a Petrobras. O que esses malandros fazem? Eles estão destruindo a Petrobras fatia por fatia. Na hora em que privatizaram a BR Distribuidora, apareceram aqui 432 empresas que estão importando gasolina dos Estados Unidos a preço de dólar. E quem paga? Quem tem carro, o caminhoneiro e o povo que vai no supermercado, porque o preço da gasolina, do diesel e do gás entra no preço dos alimentos”, denunciou (assista à íntegra da entrevista ao fim desta matéria).

Por isso, Lula disse que, caso concorra à Presidência e vença, vai fazer com que as estatais voltem a trabalhar pelos interesses do Brasil. “Vou dizer em alto e bom som: nós vamos abrasileirar o preço da gasolina. O preço vai ser brasileiro. Porque os investimentos são feitos em reais”, comprometeu-se.

Segundo o ex-presidente, observar o que ocorreu com a Petrobras permite à população compreender que a privatização da Eletrobras também não beneficiará os brasileiros. “Estão querendo privatizar a Eletrobras para aumentar o preço da energia elétrica. Porque os empresários não têm preocupação se o povo está vivendo no escuro, eles querem é lucro. Quem tem que cuidar do povo é o Estado. Por isso fizemos o Luz Para Todos. Foram 15 milhões de pessoas beneficiadas e investimos mais de R$ 20 bilhões para levar energia à casa das pessoas”, lembrou.

“O que faz bem para a economia é a inclusão”

Lula disse que o atual desafio do Brasil é o de se reconstruir. “Quando deixei a Presidência, o Brasil estava entre a 6ª e 7ª economia do mundo. Hoje é a 13ª. Estávamos gerando milhões de empregos com carteira de trabalho assinada, fazendo investimento em educação, levando água para o Nordeste com a transposição do Rio São Francisco”, elencou. “Fico triste porque as coisas foram destruídas. (…) Mas é possível consertar o país. Quando cheguei à Presidência, em 2003, diziam que o Brasil estava quebrado e não tinha conserto. Pois esse país foi consertado”, completou.

Para o ex-presidente, o Brasil precisa de um governo que trabalhe para todos. “Eu quero que o empresário ganhe, mas quero que o trabalhador ganhe também. Eu quero que o fazendeiro viva bem, mas que o trabalhador rural, também”, explicou. 

Na prática, isso significa um governo que não olhe apenas para os interesses do mercado, como faz Bolsonaro. “Eu não vou pedir voto para o mercado. Vou pedir para o povo brasileiro, que é, na verdade, o grande mercado que eu quero ajudar neste país. O mercado não existirá se não existir um povo com capacidade de trabalhar e de consumir. O que faz bem para a economia é a inclusão, não a exclusão”, definiu.

“Não quero que o mercado venha me perguntar o que eu vou fazer. Eu quero perguntar para o mercado: o que vocês vão fazer para acabar com a fome neste país? O que vão fazer para gerar emprego, para tornar o crédito mais barato para o povo, para diminuir o endividamento da sociedade brasileira, para parar de cobrar 300% de juros no cartão de crédito. Quero chegar para o banqueiro e perguntar: que Brasil você quer? Quer um Brasil onde, no final do ano, você teve um lucro de R$ 30 bilhões e o povo está na pobreza? Essa é a discussão que nós temos de fazer neste país. Não é um Brasil para mim, é um Brasil para o Brasil”, acrescentou, dizendo-se certo de que é possível para o Brasil voltar a registra taxas de pleno emprego.

Por saber do potencial da região que Lula a apoiou como nenhum outro presidente fez. “A transposição do Rio São Francisco ficou 88% pronta no nosso governo, e fico muito feliz de saber que o semiárido nordestino e mais Fortaleza vão ter definitivamente a solução da água, porque é o mínimo que o Estado tem que fazer. Quem nasce em Copacabana, na Avenida Paulista, em Fortaleza não sabe o que é a falta d’água no sertão, não sabe a importância de fazer a transposição ou de construir 1,4 milhão de cisternas, como nós fizemos pelo país afora”, disse.

Redação PT.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s