São Francisco: Desgoverno tenta levar fama por obra realizada pelo PT

Em entrevista ao Jornal Rádio PT, o ex-secretário nacional do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Maurício Muniz apresentou dados que tornam ainda mais vexaminosa a tentativa de Jair Bolsonaro de se apropriar da transposição do Rio Francisco.

Muniz apresentou um relatório, publicado pela Controladoria-Geral da União (CGU) em novembro de 2017, segundo o qual, naquela época, faltavam menos de 3% para a finalização da obra. Mais de um ano antes do governo Bolsonaro, todo o Eixo Leste, de 217km de extensão, estava concluído. E só faltavam 4,6% para finalizar o Eixo Norte, de 260km. 

“Se a gente pega os dois eixos, temos que, em 2017, fisicamente, já estava com 97,5% prontos. Ou seja, a obra foi feita pelos governos do PT”, afirmou Muniz, ressaltando que o relatório foi feito já durante o governo Temer, que não teria nenhum interesse em elogiar os governos de Lula e Dilma (assista à íntegra da entrevista ao fim desta matéria).

Os dados do relatório (disponível aqui) não deixam dúvida de que foi o PT quem fez e investiu na obra – aliás, 88% dos pagamentos foram feitos na época dos governos Lula e Dilma. Mesmo assim, Bolsonaro teve a cara de pau de, recentemente, posar diante da inauguração de um dos trechos finais, como se tivesse algum mérito pelo resultado.

Sensibilidade e planejamento de Lula

A verdade é que, se hoje o sertão nordestino pode contar com água, é porque Lula teve planejamento e vontade política. A ideia de canalizar a água do São Francisco para as regiões mais secas do Nordeste surgiu ainda na época do Império. Don Pedro II a propôs em 1847 e, em 1877, chegou a tentar executá-la, sem sucesso.

Na República, nenhum dos presidentes do país conseguiu implementá-la. Mas Lula, com sua visão de que o Brasil precisava investir não só para crescer economicamente e gerar empregos, mas também para melhorar as condições de vida da população, resolveu tirar o projeto do mundo das ideias e torná-lo realidade.

Para isso, em 2006, pagou a dívida do país com o Fundo Monetário Internacional (FMI), que impunha um limite nos investimentos por parte do governo, e lançou, em janeiro de 2007, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que fez os investimentos em infraestrutura no Brasil saltarem de R$ 4 bilhões, na época do FMI, para R$ 470 bilhões (previsão inicial do PAC 1, que acabou, ao fim, chegando a R$ 675 bilhões).

Bolsonaro inaugura e destrói ao mesmo tempo

Muniz explicou que o PAC não foi um programa que investiu apenas em infraestrutura física, como estradas e portos, mas também em infraestrutura social, com obras de moradia, mobilidade urbana, saneamento básico e prevenção de acidentes causados por desastres naturais.

Um exemplo muito conhecido desse lado social foi o Minha Casa Minha Vida, em grande parte executado pelo PAC 2, de 2010, que teve investimentos de mais de R$ 1 trilhão. Lançado em 2009, o Minha Casa Minha Vida chegou a 2014 com 1,8 milhão de unidades residenciais entregues e mais de 3 milhões já contratadas. Ou seja, muitas das casas planejadas e financiadas pelo governo Dilma acabaram sendo inauguradas anos depois por Bolsonaro.

No entanto, Bolsonaro tem a desfaçatez de inaugurar obras alheias ao mesmo tempo em que destrói os programas que tornaram essas mesmas obras possíveis. No Minha Casa Minha Vida, por exemplo, ele matou a essência do programa ao extinguir a Faixa 1, que era a modalidade voltada para a construção de casas para pessoas de baixíssima renda, que não conseguem financiamento em bancos. 

“Hoje, a população de baixa renda não consegue acessar o programa”, denunciou Muniz, ressaltando que antigos problemas do Brasil foram resolvidos quando, finalmente, houve um governo com vontade política para fazê-lo.

O ex-secretário do PAC explicou que foram esses investimentos que fizeram a economia do país se movimentar e milhões de empregos com carteira assinada serem criados. Tudo só porque Lula decidiu que seu segundo mandato seria melhor que o primeiro. “Quando, hoje, a gente escuta o presidente Lula falar que (se voltar a ser presidente) não vai fazer o mesmo governo, que vai ser um governo muito melhor, com muito mais investimento, eu queria dizer que eu vivi esta experiência: quando o presidente Lula fala que vai fazer um governo melhor, ele faz um governo melhor”, afirmou Muniz. 

Com Redação PT (Foto de Ricardo Stucker)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s