Lula defende lei trabalhista modernizada, e que respeite o trabalhador

Lula explicou, nesta terça-feira (19), em entrevista à Rádio Conexão, de Tocantins, o debate que pretende fazer sobre a reforma trabalhista, caso volte a governar o país. Segundo o ex-presidente, que é pré-candidato às eleições deste ano, a proposta que defende não é um simples retorno ao passado, mas a construção de uma legislação moderna e, ao mesmo tempo, justa para os trabalhadores.

“Eu recebi um documento do movimento sindical, todas as centrais sindicais me apoiaram, não para a gente revogar (a reforma trabalhista), porque ninguém quer a volta ao passado. A gente quer reconstruir, (criar) uma relação de trabalho moderna, que leve em conta o mundo do trabalho de hoje, os avanços tecnológicos. Mas os trabalhadores precisam ser tratados com respeito, não podem ficar reféns, sem ter nenhuma seguridade social”, defendeu Lula (assista à íntegra no fim desta matéria).

O ex-presidente destacou que, lamentavelmente, a reforma trabalhista aprovada no governo de Michel Temer apenas se preocupou em retirar direitos e não ajudou o Brasil a gerar empregos. “O que eles fizeram foi a destruição dos direitos conquistados, oferecendo ao trabalhador um nada, um emprego intermitente, a ideia do empreendedorismo como se você entregar comida numa moto ou numa bicicleta ou se você trabalhar no Uber fosse empreendedorismo. Sem que o trabalhador tenha nenhum direito, nenhuma seguridade social, não tenha descanso semanal remunerado, férias, 13º, Natal, ano-novo. Ou seja, nós voltamos quase que a um tratamento do tempo da escravidão”, avaliou.

O correto, afirmou Lula, é rediscutir as relações trabalhistas em uma mesa de negociação envolvendo todos os setores. “O que eu quero fazer? Criar uma mesa de negociação entre governo, empresários e sindicatos, se for necessário chamaremos as universidades, para que a gente construa uma nova relação de trabalho, mas civilizada, mais moderna, mais humanitária do que a que nós temos hoje.” 

Mais investimentos

Não é retirando direitos que se cria mais emprego, garantiu Lula, lembrando que nos governos dele e de Dilma Rousseff foram criados cerca de 20 milhões de vagas sem que os trabalhadores fossem prejudicados. “Não existe saída para o Brasil se ele não voltar a crescer. Para que ele volte a crescer, o governo tem que ter a iniciativa de colocar dinheiro para movimentar a economia. Ou dinheiro através do orçamento, ou dinheiro através dos bancos de desenvolvimento”, argumentou.

“O que não dá é para você ficar paralisado”, completou. “O Brasil tem que ser consertado. E quem vai consertar é um governo que saiba como consertar. É chamar os empresários e discutir um programa de desenvolvimento e de investimento. É ter credibilidade no exterior para convencer os empresários a virem investir em projetos novos, projetos rentáveis, que signifiquem a melhoria da qualidade da infraestrutura deste país. Quando eu era presidente, o Brasil era um dos três países a mais receber investimento direto, porque, quando as coisas estão bem, o mundo inteiro quer investir. Então, é preciso ter projeto. Qual é o projeto que tem o atual governo? Não existe. A única coisa que eles fazem é colocar o patrimônio público, que é do povo, à venda.”

De acordo com Lula, é a falta de projeto e de visão de futuro do governo Bolsonaro que está matando a indústria nacional. “Pra você se transformar num país industrial, é preciso que você tenha competência de fazer investimento em ciência e tecnologia, é preciso que você faça mais universidades, mais escolas técnicas. Quando eu estava na Presidência, o Brasil conquistou o 13º lugar no ranking de artigos científicos nas revistas especializadas, porque fizemos muito investimento em ciência e tecnologia. E isso acabou.” 

Para ele, a participação da indústria no PIB vem caindo porque o Brasil deixou de investir na área. “Não adianta a gente ficar reclamando. Nós precisamos tirar o atraso e fazer investimento, para que a gente possa, daqui a 10, 15 anos, a gente ter uma nova geração de pesquisadores, engenheiros, cientistas, para que a gente possa discutir nichos de indústrias que possam ser competitivos no mercado internacional. O Brasil não quer ficar só sendo exportador de commodities. O Brasil quer produzir também produtos de valor agregado.

Combate à pobreza

Perguntado sobre o que fará a respeito dos programas de combate à pobreza caso seja eleito, Lula lamentou que Jair Bolsonaro tenha acabado com o Bolsa Família para criar um programa eleitoreiro.

“Não vamos comparar o Bolsa Família com o Auxílio Emergencial, porque o Bolsa Família tinha a motivação de fazer as pessoas melhorarem de vida. Uma pessoa para receber o Bolsa Família, primeiro o dinheiro era na mão da mulher. Segundo, ela tinha que colocar os filhos na escola e garantir que estava dando vacina nos filhos. Depois, ela, se estivesse grávida, tinha que fazer todos os exames pré-natais. Era um programa com condicionantes. O que o Bolsonaro está fazendo é um programa de transferência de dinheiro na perspectiva simplesmente eleitoral. Até quando isso vai durar? Até quando acabar as eleições?”, criticou Lula. 

Da Redação PT (Foto de Ricardo Stuckert)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s