Combustíveis dolarizados aceleram prévia da inflação em abril

Aditivada ou comum, não importa. O preço dolarizado da gasolina continua sendo o principal combustível da inflação de dois dígitos de Jair Bolsonaro e seu ministro-banqueiro Paulo Guedes, que ultrapassou a casa dos 12% ao ano na “prévia” anunciada nesta quarta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) de abril (1,73%), 0,78 ponto percentual (p.p.) acima da taxa de março (0,95%), é a maior desde fevereiro de 2003 (2,19%). Também é a maior para o mês desde 1995 (1,95%). No ano, o IPCA-15 acumula alta de 4,31% e, em 12 meses, de 12,03%, acima dos 10,79% registrados nos 12 meses anteriores. Em abril de 2021, a taxa foi de 0,60%.

O resultado foi determinado pelos transportes (3,43%) e, principalmente, pelo aumento no preço da gasolina (7,51%), que gerou o maior impacto individual do mês (0,48 p.p.), ainda como reflexo do mega reajuste anunciado pela Petrobras em março. E a empresa já anunciou outro aumento, com base na infame política de Preço de Paridade de Importação (PPI) adotada por Michel Temer e mantida por Bolsonaro. Também subiram os preços do óleo diesel (13,11%), do etanol (6,60%) e do gás veicular (2,28%).

As passagens aéreas, que haviam recuado em março (-7,55%), subiram 9,43% em abril. Os preços do seguro voluntário de veículo (3,03%) aceleraram pelo oitavo mês consecutivo, acumulando 23,46% de variação em 12 meses. Houve altas ainda nos preços dos táxis (4,36%), nas passagens de metrô (1,66%) e dos ônibus urbanos (0,75%).

Com o frete dos produtos mais caro, preços de alimentos e bebidas também avançaram (2,25%), puxados pela alta de itens consumidos no domicílio (3,00%). Tomate (26,17%) e leite longa vida (12,21%) contribuíram com 0,16 p.p. no resultado do IPCA-15.

Em habitação, que subiu 1,73%, a alta do preço do gás de botijão (8,09%), também administrado pela gestão bolsonarista da Petrobras, teve o maior impacto (0,11 p.p.). O preço do gás encanado, que gera fortes impactos também nos custos da indústria, seguiu a toada, com alta de 3,31%. A segunda maior contribuição no grupo (0,09 p.p.) foi da energia elétrica (1,92%), outra tarifa administrada pelo desgoverno Bolsonaro.

Todos os itens do vestuário (1,97%) tiveram alta em abril, com a maior contribuição vindo das roupas femininas (2,70%). Enquanto o grupo saúde e cuidados pessoais (0,47%) desacelerou em relação a março (1,30%), os produtos farmacêuticos tiveram alta de 3,37%, após a autorização, pelo desgoverno Bolsonaro, de reajuste de até 10,89% no preço dos medicamentos a partir de 1º de abril.

Com exceção de comunicação (-0,05%), todos os grupos de produtos e serviços pesquisados apresentaram alta. A pesquisa do IBGE também revela que os preços aceleraram em todas as áreas pesquisadas. A maior variação ocorreu em Curitiba (2,23%), influenciada pela alta de 10,25% nos preços dolarizados da gasolina.

Ciclo vicioso: carestia puxa alta dos juros, que trava a economia real

Os elementos externos continuarão pressionando a inflação brasileira por três anos, projeta o Banco Mundial no relatório Perspectiva do Mercado de Commodities, que levanta o risco de estagflação global. A instituição avalia que o mundo enfrenta o maior choque de preços de commodities desde os anos 1970, agravado pelas restrições ao comércio de alimentos, combustíveis e fertilizantes devido ao conflito no Leste Europeu.

“Os formuladores de políticas monetárias deveriam aproveitar todas as oportunidades para aumentar o crescimento econômico e evitar ações que tragam danos à economia global”, disse Indermit Gill, vice-presidente do Banco Mundial para Crescimento Equitativo, Finanças e Instituições. Mas a chance de a autoridade monetária brasileira considerar a recomendação é praticamente inexistente.

Mais de um ano após a sanção da Lei Complementar 179/2021 (autonomia do Banco Central), a única decisão tomada pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do BC é elevar a taxa básica de juros para alegadamente conter a escalada inflacionária. Desde março de 2021, quando a Selic estava em 2%, os aumentos sucessivos a elevaram a 11,75% ao ano, e com viés de alta.

A pesquisa Focus, que voltou a ser divulgada pelo BC nesta terça-feira (26) após hiato de quase um mês, mostra que os analistas do mercado esperam acréscimo de pelo menos um ponto percentual à Selic na reunião do Copom da próxima semana. Até o fim do ano, a taxa básica deve ficar em 13,25%, mantendo o Brasil no topo do ranking de países com a maior taxa mundial de juros reais (descontada a inflação).

Além de não conter a inflação – que no caso brasileiro é mais de oferta que de demanda, pois a economia se encontra estagnada – a Selic mais alta encarece os empréstimos bancários. Em 2021, no rastro das altas da Selic, o juro bancário sofreu o maior aumento em seis anos. Encarecido o crédito, é automático o impacto negativo sobre atividade econômica, investimentos produtivos, consumo e geração de emprego e renda.

Outro problema são maiores despesas com os juros da dívida pública. O crescimento da Selic em um ponto percentual gera aumento de R$ 30,8 bilhões na dívida bruta e de R$ 31,9 bilhões na dívida líquida, roubando recursos para investimentos públicos, que atingiram pisos históricos em 2021, e inibindo investimentos privados, também estagnados em níveis mínimos no ano passado. Sem investimento, a economia trava.

Para arrematar a tragédia brasileira, o desgoverno Bolsonaro, que reduziu a capacidade produtiva e atua para entregar o parque de refino nacional, fechou portas e paralisou obras de fábricas de fertilizantes, além de desmantelar bem-sucedidas políticas públicas de segurança alimentar dos governos petistas, completa o serviço tornando o país ainda mais vulnerável aos impactos inflacionários vindos de fora.

Da Redação PT, com Agência IBGE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s